agosto 20, 2007

O ESPELHO

O coração vermelho necessita de amor...

Da mesma forma quantos procuram o amor,quantos querem estar ao lado do seu verdadeiro amor e quantos morrem de amor.
Vejo lágrimas e corações tristes,a solidão consome a alma do poeta triste,que o amor não habita em seu coração da mesma forma como cada amanhecer do dia.
Já em seus pensamentos algumas lembranças alivia as feridas do peito e a dor aumenta ao passar do tempo.
Inconformado prefere escrever sobre tudo que vê e até mesmo o que sente,fala da natureza de uma forma diferente e no meio da selva esconde o que verdadeiramente sente,em tempos de chuva observa cada lágrima de Deus caindo do céu.
Ele imagina que Deus também chora por amor,mas ninguém vê e nem sabe o tamanho da sua sua dor.
Talvez iria imaginar se do céu caísse gotas de sangue que assim iria perceber que morrer de amor é estar crucificado em meio ao monte.
Pois estou muito longe,já que passo dias escondendo através de sorrisos as minhas lágrimas e ao anoitecer quando se apaga a luz do meu quarto,revelo em meus sonhos o meu verdadeiro amor.Que me faz carinho e escuta a minha voz como um hino,nos beijamos como se estivéssemos viajando para o infinito,fazemos amor como nossos corpos fosse o imenso calor do sol e no nosso olhar o brilho de todas as estrelas do céu.
Chego a sentir o perfume de todas as flores do campo,talvez seje a minha alma voltando ao meu corpo,pois toca o despertador o dia está renascendo e da mesma forma quantos procuram o amor,quantos querem estar ao lado do seu verdadeiro amor e quantos morrem de amor.
Vejo o meu reflexo no espelho e a lágrima do verdadeiro sentimento e observo que ao olhar pro meu peito...

O coração vermelho necessita de amor...


Nenhum comentário: