setembro 24, 2007

ESPERANÇA

“Chuva cai e corta o rosto,o tempo muda em questão de segundos e não é surpresa pois São Paulo,a selva de pedra não deixa de ser a terra da garoa onde o céu nublado esconde o sol quente.Assim segue minuto a minuto,fatos reais não deixam as pessoas contentes e essa será a minha intenção novamente.”

O movimento continua intenso e os sonhos são resumidos à frustrações imagináveis,uma avenida do lado leste,um ponto de ônibus e entre várias pessoas,um homem em lamento.Dentro do ônibus vidros fechados e entre – abertos,todos os bancos ocupados,eu entro e observo olhares cansados e rostos abatidos pelo cansaço,dando um passo por vez chego até o final do corredor,e nesse pouco tempo não demorou para perceber que havia um homem sem camisa,com aparência nova e bem loco e embriagado e sendo olhado com nojo por um outro passageiro que estava ao lado.

Passado dois pontos,esse homem se levanta de onde estava sentado e segurando uma folha de árvore,pede a uma senhora que se sentasse no seu lugar,pois simplesmente ele falava que estava ali de favor e repetia com educação: “ Senhora senta ali por favor,pois estou aqui de favor.”

Em outra frase,depois daquela senhora se negar a sentar no seu lugar,ele se dirige à outro mano e fala: “Senta lá mano por favor,pois estou aqui de favor.”

Entre a humildade e a loucura esse homem passa a ser visto por mim com outros olhos,pois até então estava sendo olhado por aquelas pessoas como um homem bêbado e louco,sujo e sem futuro,mas além disso esquecerão de olhar que esse homem tinha vivido o bastante e infelizmente não se tornou um herói ou até mesmo um exemplo de vitória para a sociedade.

Mas o que isso interessa pois esse homem na minha opinião era vitória pra ele mesmo estando naquela situação,já que nas suas palavras ele dizia:

- Eu perdi 15 anos,eu perdi 15 anos,tenho 39 e perdi tudo.

Ele repetia isso constantemente,com uma lágrima nos olhos e o vento gelado no corpo bate,por um tempo ele fica calado e começa a viajar em seus próprios pensamentos.Passado alguns minutos do nada ele fala olhando pra mim,encostado na porta.

- Eu respeito os idosos,as mulheres e as crianças,respeito todo mundo e sou cabuloso,pode vir GCM,pode vir os PM’S,que eu não tenho medo.

Fala que os homens da lei podem vim de 38,HK,AR-15,Fuzil e repete novamente que ele era cabuloso,que graças a Deus conseguiu escapar da cadeia,mas que infelizmente não conseguiu escapar do vicio do álcool,mas que isso era questão de tempo,porque pra ele isso não era nada.

Observo o seu olhar e presto atenção em suas palavras,enquanto eu canto baixo minha música,alguns voltam olhares pra mim e pensam que estou louco,enquanto isso o mano sem camisa,considerado um indigente passa mal e começa a vomitar próximo aos meus pés,isso pra mim normal,mas outros começam a criticar e falar mal do mano,falando que não é pro motorista deixar subir esse tipo de gente.

Percebo a ignorância e a falta de consideração com o próximo,e vejo que muitos não estão nem ai com nada,que apenas se preocupam com eles mesmos.Mas o silêncio volta opaco e fica somente o barulho do trânsito.É chegada a hora de eu descer do ônibus e aquele homem prossegue sem destino,talvez desça no ponto final ou até mesmo chegue a descer antes e dormir em algum lugar e tentar acalmar sua mente perturbada.

E assim penso em mais quantos anos será perdido...

E peço a Deus que proteja o mano de todo o perigo e ajude a ter forças.


Um comentário:

Anônimo disse...

Os valores atuais são trocados por opulência e ganância, ninguém nota pessoas como essas. pois não tem valor para essa sociedade hipócrita. Valeu cara...