fevereiro 26, 2009

MEDO INTERNO

MEDO...

Não estava dormindo,pois encontrei a felicidade ao conseguir tocar o céu e sentir o calor do brilho da estrela que me guiava,protegia meu coração de toda a maldade do mundo que pudesse contaminar minha pureza,destruir enfim a minha alma.Tentei por várias vezes olhar nos seus olhos,mas aquele brilho lindo impedia que me concentra-se em sua cor de tonalidade castanho-escuro.Pois consegui descobrir a cor quando algumas luzes se apagaram ao seu redor do seu corpo.Encontrava-me psicologicamente num mundo em que a realidade pelo menos uma vez se mostrou doce,frágil e incrivelmente natural como vários sonhos de amor que já tivera.Nisso me encontrei e entendi o significado de estar sendo completado,evoluído e deixando que o destino siga o rumo no qual eu me esforçarei para que ele não desvie.
Certa vez num desses sonhos,o meu coração sentiu medo,engraçado mas fazia muito tempo o qual não sentia essa naturalidade da vida.Então aproximou-se de mim um anjo com asas brancas reluzentes,com um perfume meigo e ao mesmo tempo hipnotizante me falando para me acalmar e somente confiar em suas palavras e que assim não haveria motivo algum para sentir esse medo.Olhando pra ele falei calmamente que confiava nele,mais eu não tinha nenhum poder,não era nenhuma divindade e nem por acaso tinha algum dom sobrenatural,sendo assim,afirmei que era apenas um homem comum,repleto de medo,e pois assim ele fizera do meu coração uma ternura na qual encontrava a mansidão óbvia em que habitava com imenso amor um novo homem.
Um amor que foi descoberto ao me entregar aos cuidados dos altos céus a onde habita o brilho do luar e o encanto da estrela que ele mesmo ordenara a cuidar de mim,pois ele chorava quando via em meu coração o reflexo da dor e de todo o massacre de um lado bom.Então olhando nos seus olhos somente agradeci,pois havia motivos pra sorrir e ver algum sentido na vida,além daquele em que o mundo somente conhece e contempla com vitória o sabor do sangue.
Era final da madrugada.Despertei do sonho e a realidade deitou ao meu lado tentando assim roubar o perfume que havia no corpo do anjo que estava me guiando e fazendo do meu coração o amor eterno.A realidade sorria e olhava concentrado para o lado esquerdo do meu peito e diretamente jogou o medo junto de mim,sem que eu tivesse chance de pedir socorro ou implorar,e lançou um sorriso amargo que em seguida logo segurou meu peito com força,falando diretamente com os seus olhos nos meus,disse.


- O amor já possui o seu coração como hospede e ele agora permiti que a sua estrela faça dele o que quiser – disse a realidade sorrindo.

Respondi.

- E daí,que mal tem?Por que a vir de me ferir?

Somente olhando para mim,observando a minha angustia.Respondeu.

- Tem tudo o que você não conhece e nem imagina que possa sofrer,pois o amor anda comigo na madrugada de mãos dadas e testando corações que ele já fez de refém.

- O amor sempre fere.Afirmou a realidade com um sorriso.

Retruquei.

- Jamais! Não o meu amor!

A realidade ficou apenas quieta,pois sabia que não valera a pena perder tempo com um o homem em que o amor é forte e verdadeiro.E logo se foi embora sem olhar para trás deixando o estigma do medo junto ao meu corpo que me fez pensar durante horas e implorar ao amor para que não me fizesse sofrer e com resultado destruindo o meu puro sentimento.Sendo assim a realidade conseguiu me ferir lentamente e tornando pensar na minha estrela constantemente e o anjo como proteção.Levantei.
O sol veio com o seu calor me trazendo paz e a minha estrela da manhã novamente me confortar,segura a minha mão sem me deixar cair.Observa uma lágrima no meu rosto e me aquece fortemente.
Mas em meu pensamento por alguns momentos ficou o medo de saber que quando se ama verdadeiramente,o amor sem pedir licença por me matar tornando o meu coração o habitar eterno do ciúmes incontrolável e deixando claro como todas as crenças do universo que sou capaz de morrer por amor a minha Estrela.

Nenhum comentário: